domingo, março 7, 2021
Advertisment
Home Mundo Otan deve enfrentar desafio da ascensão da China, indica relatório

Otan deve enfrentar desafio da ascensão da China, indica relatório

O relatório “Otan 2030”, que será publicado na terça-feira, 1, afirma que a Organização do Tratado do Atlântico Norte deve concentrar-se em como lidar com a ascensão econômica e militar da China, que viu seu protagonismo aumentar durante a pandemia do novo coronavírus. Contudo, o texto continua destacando a Rússia como principal adversário da década.

Preparado por um grupo de chamados “sábios” e contendo 138 propostas, o relatório faz parte da proposta mais ampla de reforma da aliança militar. Dúvidas crescentes sobre o propósito e a relevância do grupo foram marcadas por comentários do presidente francês, Emmanuel Macron, que no ano passado disse que a Otan havia sofrido “morte cerebral”.

“A China não é mais um parceiro comercial benigno do Ocidente. É a potência em ascensão do nosso século e a Otan deve se adaptar”, disse um diplomata do grupo que viu o relatório.

O texto aponta a atividade chinesa no Ártico e na África, além de seus pesados ​​investimentos em infraestrutura europeia, como evidências de sua expansão. Para manter-se relevante – e fora dos aparelhos respiratórios –, a Otan indica necessidade de manter uma vantagem tecnológica sobre a China, protegendo redes e infraestrutura de computadores, segundo o mesmo diplomata.

Somado a isso, os 30 membros da aliança militar também devem estreitar laços com países fora do grupo, como a Austrália – também em rusga com a China. O relatório sugere que a Otan também concentre-se na dissuasão espacial (em referência à dissuasão nuclear do período da Guerra Fria), já que os chineses estão em um ritmo acelerado de desenvolvimento na área.

Continua após a publicidade

Nesta segunda-feira, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, confirmou que a ascensão da China representa “desafios importantes para a nossa segurança”.

“A China não compartilha nossos valores e tenta intimidar outros países”, disse Stoltenberg, em coletiva de imprensa. Ele indicou preocupação com o investimento maciço em novas armas e afirmou que “[a China] está cada vez mais perto de nós”. Contudo, o grupo não chega a declarar o país como um adversário.

O relatório será discutido pelos ministros das Relações Exteriores da aliança na terça-feira, 1, antes de ser apresentado aos chefes de Estado dos 30 membros no ano que vem.

Entre outras recomendações, o texto sugere que os ministros de Comércio Exterior se reúnam com mais regularidade e que a Otan assuma maior protagonismo como mediadora internacional. Contudo, a prioridade permanece a mesma: a Rússia.

Em 1949, a aliança já foi fundada com objetivo de conter a ameaça militar da União Soviética. Mais recentemente, as preocupações da Otan com a região voltaram, desde a anexação da Crimeia por Moscou em 2014. Por isso, a maioria dos recursos ainda é direcionada à defesa da Europa.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Popular

Trump reaparece em evento de conservadores e fala em união de Republicanos

Calado pelas redes sociais e depois de pouco mais de um mês de ter deixado o cargo de presidente dos Estados Unidos, Donald J....

O que significa a visita do papa Francisco ao Iraque?

Após muita controvérsia envolvendo possíveis surtos de coronavírus e o perigo do extremismo islâmico, o papa Francisco vai iniciar sua turnê pelo Iraque nesta...

A eterna doença argentina

“A Argentina é, por excelência, um exemplo de uma economia cuja estagnação relativa não parece derivar do clima, de divisões raciais, de pobreza malthusiana...

ONGs processam grupo francês Casino por desmatamento no Brasil e Colômbia

Uma coalização de ONGs moveu uma ação criminal na França nesta quarta-feira, 3, contra o grupo francês Casino, que acusam de vender carnes ligadas...