domingo, março 7, 2021
Advertisment
Home Mundo O problema do corpo: o incrível assassinato do jovem bilionário chinês

O problema do corpo: o incrível assassinato do jovem bilionário chinês

O que pode acontecer quando se unem os criadores da série Game of Thrones, o autor do sensacional O Problema dos Três Corpos e o fundador de uma empresa de games que pretendia unir isso tudo?

Como a realidade bate a ficção, sempre, essa verdadeira fusão nuclear de talentos da cultura pop levou um choque letal quando o dia de Natal terminou, na China, com a notícia do assassinato de Lin Qi, criador da Yoozoo Games.

Aos 39 anos e 1,3 bilhão de dólares, Lin Qi morreu, aparentemente, por obra da combinação letal de ambição e briga profissional com um de seus executivos, Xu Yao.

Essa foi a versão divulgada imediatamente após a morte. O veneno pode ter vindo, segundo variam as fontes e as especulações, de um tipo de chá fermentado que muitos chineses adoram, de uma neurotoxina de origem ignorada ou de substâncias letais misturadas a remédios.

Lin Qi foi internado em 16 de dezembro, com sintomas de envenenamento; no dia seguinte, foi para a UTI e no dia 25 estava morto.

“Você viu a imperfeição, mas continuou a acreditar na beleza; conheceu a maldade, mas ainda acreditava na bondade”, disse a elegante mensagem de despedida divulgada no site da empresa, a nona maior no brutalmente competitivo mercado de games na China.

Fora a conclusão de que o Xu Yao detido como suspeito só poderia ser o mesmo rebaixado na empresa, mas ainda mantido na divisão de filmes e televisão, nada mais se sabe sobre as investigações.

Lin Qi planejava nada menos que conquistar o mundo – e talvez até algum espaço fora dele – com as adaptações da série Memórias do Passado da Terra, a trilogia cujo primeiro volume é O Problema dos Três Corpos, uma referência ao problema de mecânica celeste considerado insolúvel, sobre a inconstância das órbitas de três corpos com forças gravitacionais conflitivas.

Os livros não são fáceis e exigem do leitor ocidental atenção para a série de personagens com nomes chineses e interesse pela batelada de questões da física e astrofísica impiedosamente alinhada por Liu Cixin, o escritor mais incensado da China.

Sem falar na suspensão da incredulidade, vital para uma série que abarca 18 960 405 anos de história da Terra e do conhecimento científico (antigo Egito, China de antigas dinastias imperiais, Revolução Cultural  entre outros) e avança para o futuro sem medo de espantar os leitores.

Continua após a publicidade

É claro que uma história assim atrairia nomes como a Netflix e David Benioff e D. B. Weiss, os criadores da adaptação de Game of Thrones para a série que hipnotizou o planeta.

A Yoozoo já tinha feito o Game of Thrones: Winter is Coming, o game que a divulgou nos países ocidentais. Em setembro, foi anunciada a associação com a Netflix para a série de ficção científica. A Amazon queria comprar os direitos para o cinema por 1 bilhão de dólares.

Segundo o principal jornal chinês de economia e finanças, Lin Qi (pronuncia-se Lin Chi) queria tirar Xu Yao da jogada e havia cortado seu salário. O projeto gigantesco também enfrentava outros problemas devido ao gigantismo e a Yoozoo, que Lin Qi havia vendido, mantendo 25% das ações, teve que desistir de produzir as próprias adaptações.

Como bom visionário, ele havia comprado os direitos sobre O Problema dos Três Corpos pouco tempo depois que o livro saiu, em 2015.

O escritor é venerado da China – e visto também como uma peça importante no grande xadrez geopolítico, com o potencial de sua obra se transformar no maior feito de soft power da superpotência.

Liu Cixin não é um escritor fácil e não tem posições políticas simpáticas no Ocidente. Numa reportagem da revista New Yorker, disse que a democracia não é um sistema adequado para a China e que sairia correndo do país se ela visse a ser implantada.

No primeiro livro da série, um governante de Trisolaris, onde se gesta a invasão da Terra,  refere-se a uma civilização que teve “sociedades livres e democráticas e que deixou ricos legados culturais”.

“Não sabemos quase nada sobre ela. A maior parte dos detalhes foi selada e proibida de ser vista”. Exceto que “este tipo de civilização era o mais fraco e o de vida mais curta”.

Na trama de O Problema dos Três Corpos, cientistas famosos começam a se suicidar e outros a jogar um game que os leva a Trisolaris, o planeta com três sóis que criam uma imprevisível alternância entre eras do caos e era estáveis – mais do que evocando as tribulações históricas da China.

A partir daí, a coisa fica muito mais complicada e envolve, claro, o futuro da humanidade e da Terra.

A morte por envenenamento de um bilionário que queria “invadir” a Terra via cultura pop dá uma guinada espetacular na história. E ainda deixa em aberto o capítulo com tudo o que Xu Yao, o acusado, tem a dizer.

Continua após a publicidade

- Advertisment -

Popular

Governo inglês está sob pressão depois de detectar variante brasileira

A manchete do principal jornal inglês desta segunda-feira, 1º, relata que o governo está enfrentado fortes apelos por medidas mais duras de restrição de...

Paraguaios pedem renúncia do presidente por má gestão da pandemia

Milhares de paraguaios tomaram as ruas da capital, Assunção, na noite da última sexta-feira (5), para protestar contra o governo do presidente Mario Abdo...

A eterna doença argentina

“A Argentina é, por excelência, um exemplo de uma economia cuja estagnação relativa não parece derivar do clima, de divisões raciais, de pobreza malthusiana...

Trump reaparece em evento de conservadores e fala em união de Republicanos

Calado pelas redes sociais e depois de pouco mais de um mês de ter deixado o cargo de presidente dos Estados Unidos, Donald J....